segunda-feira, 6 de abril de 2009

Poesia para o dia do trabalho ou para o mês do trabalhador

apara nas costas um pedaço de folha
dez vezes o tamanho da sua vontade
é necessário não ser um operário comum
segure aos dentes um
tronco e
caminhe até a colônia

se fizer isso sem reclamar
há grande chance
de você ser uma formiga

17 comentários:

Rafael disse...

Com o perdão da expressão...PUTA QUE PARIU. Poderoso, amigo. Esse foi curto, forte...um soco. Sou teu fã. Vc é, paulinho, prova viva de que "a arte ainda se mostra primeiro". Ave Paulinho!

Paulo Henrique Motta disse...

fiquei todo bobo!!! rss
valeu meu brother.
um abração

Mariana disse...

ahahahah... que ótimo.

Anônimo disse...

Salve,

Adicionei o blog nos favoritos...agora voltarei sempre!

Abs

Anônimo disse...

Esqueci de assassinar:

Haluysio

...e viva o "temível pentelhinho".

Paulo Henrique Motta disse...

hahahaha

salve salve o "temível pentelhinho"!!! rss
valeu Haluysio, big brother!!

vanessacamposrocha disse...

as epquenas que nunca saem para dançar!ADOREI o texto!

vanessacamposrocha disse...

nossa.. saiu do avesso, de novo: as pequenas!

Anônimo disse...

Passando pra conferir as novidades.

Um abraço

Haluysio

Luiza, disse...

Que bom que você apareceu lá no memórias, eu também preciso lembrar de vir mais aqui.
Adorei o título em prosa do poema, sou fã disso.
=)

Paulo Henrique Motta disse...

valeu Luiza.
Um bjão do Paulinho.

Mariana Ferreira disse...

Foda! (é permitido dizer essa palavra por aqui?)

Paulo Henrique Motta disse...

pode dizer sim, Mariana.
aqui vale tudo!! rs

Obrigado pela visitinha e volte sempre.

Carleto Gaspar 1797 disse...

Muito Bom hein paulinho

Parabéns!!

Dani C. disse...

a gata gostou do teu canto.

:)

miados felizes!!

Ticiana Flarys disse...

vi que passou no meu blog e vim dar uma voltinha por aqui, rs...gostei! e voltarei ;)

Bruna Mitrano disse...

Acho que sou cigarra, qualquer dia morro de fome e frio.

Belo blog!