quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Exclusão

ninguém reparou no
verde brilho dos seus
olhos costa sul criança
no sorriso largo
e passos amargos (embora
ainda menina)
tampouco no seu sorriso
de moça boba
que só queria ser amada

nós nunca nos beijamos
mas nem por isso
deixamos de nos amar
eu nunca sonhei com você
(talvez porque sempre
estive ao seu lado)

e agora os olhos
verdes costa sul criança
estão cheios
de brita
cortante
navalha no peito
e na alma
de uma ação sem razão

ah, querida
não cuspa gestos
inconsequentes
que eu não tenho
pelo quê lhe pedir perdão

não canse minhas costas
com o peso iníquo de suas
amarguras.

4 comentários:

Luiz Coelho disse...

me apresenta essa mina aê?!

Paulo Henrique Motta disse...

demorô!!

Carlos Lopes disse...

Bonito e delicado texto. Também me perece ser assim o seu blog.

Paulo Henrique Motta disse...

Muito obrigado, Carlos.
ah, também gosto muito do Lobo Antunes.