terça-feira, 13 de abril de 2010

Um momento de reflexão

Eu não sou maluco, eu sou bêbado. E na verdade eu nem to bêbado hoje, só tomei um copo, mas é que eu sou desse jeito mesmo. Hip! As pessoas ficam me chamando de bêbado só porque eu fico bêbado de vez em quando, porque eu bebo de vez em quando. Eu acho que uma cervejinha, uma cachacinha proporciona a interação entre as pessoas, porque todo mundo fica mais solto quando toma um negocinho. Hip! Mas aí eu fico tachado de “o bêbado do bairro”, mas eu não ligo não, porque sei que todo mundo gosta de mim, eu sou divertido, ainda mais quando fico bêbado. Hip! A única pessoa que não me acha divertido é a minha mulher. Minha mulher fica puta quando eu chego em casa de porre. Hip! Quando eu chego em casa de porre ela me manda dormir na sala. Eu durmo lá todo dia. O nosso sofá é uma porcaria, eu acordo no outro dia com uma dor no corpo dos infernos. Ressaca? Não, eu não acordo com ressaca. Não tenho essas frescuras não. Meu fígado já está calejado. O problema é que as pessoas não me respeitam, só porque de vez em quando eu fico bêbado, mas eu acho que isso não tem nada a ver, porque eu sou só um bêbado, tem gente que é até político e neguinho não desrespeita. Eu nem to bêbado agora, mas o pessoal fica achando que eu to bêbado o tempo todo, aí ninguém me respeita, porque bêbado não tem respeito, mas político tem. Hip! E eu acho que isso tá errado, porque bêbado é só uma pessoa que bebe um copinho de nada. Eu não sou igual esses maconheiros, que fumam maconha, essas paradas de pó e saem fazendo merda por aí com essas paradas de tóxico, nem político que também sai fazendo merda por aí, não, eu só bebo um copinho de vez em quando, mas aí o pessoal não respeita. Todo mundo bebe e fica bêbado de vez em quando também, a diferença é que eu fico bêbado mais vezes do que todo mundo. Hip!
Outro dia eu cheguei bem no bar, aí saí de lá mal, mas pra mim isso não tem nada demais, porque eu fui lá pra beber mesmo. Hip! Quando ficou tarde a minha mulher foi me buscar, ela sempre me procura, e nem adianta eu mudar de bar, porque ela vai me procurando de bar em bar. Quando ela me acha ela vai lá no balcão e me chama, aí eu digo que já to indo, aí ela vai pra porta do bar e fica de braços cruzados e balançando a perna, só que eu não dou idéia, aí ela volta lá dentro e me chama de novo. Eu até convido ela pra tomar uma comigo, mas ela nunca aceita. Eu acho que se ela bebesse, não brigaria tanto, porque ela também ficaria bêbada junto comigo e não teria do que se queixar. Hip! Mas ela nunca se acostumou com o meu jeito, sempre me perturba por causa das mesmas coisas. O problema é que quando nós casamos, ela tinha a esperança de que eu mudasse, mas eu nunca mudei e eu tinha a esperança de que ela nunca mudasse, mas ela mudou; além de chata, agora tá toda baranga. Hip! Não dá mais pra pegar ela, ela tá muito ruim! Outro dia eu tomei meia dúzia de cerveja na intenção dela, mas não deu jeito. E agora a desgraçada deu pra ser violenta e de vez em quando me baixa a porrada, mas bater em bêbado é mole! Hip! Minha primeira surra foi quando eu cheguei em casa de madrugada um pouco bêbado e ela estava me esperando com uma vassoura na mão e eu perguntei se ela iria varrer ou voar. Acho que ela não gostou muito da brincadeira e me arrebentou, desde esse dia eu sinto dores pelo corpo. Eu queria que ela fosse igual a Soraia, pô, a Soraia é mó porra loca, bebe pra caralho e ainda é a maior gata. A Soraia seria a parceira ideal, se ela não fosse sapatão. Se ela não fosse sapatão eu pediria ela em casamento e casaria com ela lá no bar do Chiquito. Mas nem dá pra brincar com ela assim, porque o marido dela, a Jane, é carne de pescoço, é mulher em estado bruto. Hip!
Eu acho que a Soraia nem é sapatão direito, eu acho que ela é mais mulher do que homem, tipo assim, ela é menos sapatão do que a Jane, porque a Jane é invocada, usa cabelo curto, calça jeans, cordão e pulseira grossa e um anel grandão no dedinho mindinho. Vou ser sincero, eu tenho medo da Jane, porque ela é grande pra dedéu, porque eu acho que se ela me pegar ela me arrebenta. Eu nem chego perto da Soraia direito, porque eu não sou maluco, eu sou bêbado. Hip!
A Soraia chapa legal, aí a Jane fica puta com ela, que nem a minha mulher. A Jane deveria ficar com a minha mulher e eu com a mulher da Jane, a Soraia, porque a gente gosta de beber muito e a minha mulher e a Jane não gostam de beber. Pronto, elas formariam o casal perfeito. Aí a minha mulher iria parar de encher o saco e teria um homem em casa do jeito que ela quer e eu e a Soraia iríamos viver peregrinando pelos bares da vida, do jeitinho que a gente gosta. Hip!

7 comentários:

Sérgio Medeiros disse...

> porque ela vai me procurando de bar em bar

Depois de ler essa parte, foi impossível não lembrar da música:
De bar em bar
De mesa em mesa
Bebendo cachaça,
Tomando cerveja.

Mais aqui :-)

http://letras.terra.com.br/avioes-do-forro-musicas/514068/

Elaine disse...

Muito bem, meu velho amigo.

S.Ribeiro disse...

Ótimo!

sam disse...

Cumpadre vc é fodaaa!!
Adorei e me lembrei de várias situações!!!!
kkkkk

Gabis disse...

"porque eu sou só um bêbado, tem gente que é até político e neguinho não desrespeita"

haha adorei =)

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
A BOLA DE BATOM disse...

Fala figura, essa é sua vida. Fica bêbado de vez em sempre né????
Aeh valeu pela visita no blog e só pra lembrar quero falar de Futebol e não do Botafogo especificamente. Portanto, não vou ficar revidando provocações de torcida.
Te adoro vc é um flamenguista que não preenche os requisitos, ou seja, tem diploma, tem todos os dentes e não mata mulher...