quarta-feira, 21 de julho de 2010

Passeio Noturno I

Júlia busca a felicidade dentro das mais simples esperanças. Endividada até o pescoço, não se redime aos gastos supérfluos, nem às apostas no jogo do bicho. Uma de suas poucas diversões. Toda dia é a mesma coisa. Acorda cedo. Toma seu café da manhã. Limita-se apenas a um copo de mate gelado e torradas (destas de supermercado) com cream cheese. Vai até a esquina e faz sua aposta diária. Sempre aposta na milhar 6311. Burro. Volta para casa e vasculha a caixa dos correios com esperanças renovadas, pois já se passaram oito anos. Morar sozinha não é ruim, dizia ela, o chato é ter que cozinhar. A comida quando não é o bastante é demais. Difícil acertar a mão! Exatamente por isso, Júlia come queijo-quente quase toda noite, depois do seu passeio.
A noite chega e Júlia monta em sua moto. E sai pelas ruas. Procura sempre a que mais lhe agrada. A mais calma. Silenciosa, arborizada. Nunca a mesma. Não quer despertar suspeitas. Olha casa por casa, com um cuidado extremo. Minucioso. Examina, como se pudesse saber, a que mais se difere da sua realidade. Traça semelhanças e distinções. E quando escolhe a casa, a satisfação em seu rosto é incontestável. Sua alegria transpassa a angústia e a vontade de chorar, levada por uma euforia que lhe acelera o coração. Ela se aproxima do portão, acende um cigarro, abre uma garrafa de álcool, despeja parte dentro da caixa dos correios, joga o cigarro lá dentro. Pula na moto. E corre. Apenas o suficiente que dê para ver, pelo retrovisor, a caixa de correios explodir. Boom! Os pingos da garoa fina que cai queimam seu rosto, assim como a lembrança dos oito anos sem resposta.

3 comentários:

fernanda disse...

Ficou otimoooooooooo.. Parabéns.. bjossssssss Paulinhooo

camila disse...

Tb gosto de torrada com cream cheese...

Rebecca Garcez disse...

eu tambem adoro torrada com cream cheese, e explodir caixa de correios da burguesia. ai, iraaado!