segunda-feira, 26 de julho de 2010

Passeio Noturno II

Entediada, Júlia vai ao shopping alimentar seu desejo de consumo. Precisava comer algo diferente naquela noite. Pediu um sanduíche de salmon defumado. Sorriu para o rapaz da livraria que lanchava ali. Disse que lembrava do dia em que o viu derrubando uma prateleira de livros. Sorriram. Em poucos instantes estavam na casa do livreiro. Davi. Como? Meu nome é Davi. Não importava, aquela noite para ela era diferente e especial. O sofá pequeno era o espaço exato de que precisavam. Lá fora, os pingos da chuva, que escorriam, batiam na caixa do ar condicionado, fazendo um barulho forte, constante e acelerado, que se confundia ao deles, ficando cada vez mais distante aos ouvidos. Na mesa, um bocado de envelopes, fechados e abertos, endereçados a Davi. De súbito, Júlia se levanta. Se recompõe. E sem se despedir sai correndo e vai embora. Davi não consegue alcançá-la.
Meia hora depois: Boom! E a caixa de correios de Davi brilhava pelo retrovisor da moto de Júlia, na rua silenciosa e escura.

4 comentários:

Rebecca Garcez disse...

Eu também me amarro em dar mole pra esses caras que ficam derrubando prateleiras em livraria e depois explodir a caixa de correio deles. aí, iraado!

Rebecca Garcez disse...

tá, sério agora...
adorei o texto! =)

Paulo Henrique Motta disse...

valeu, priminha!!!

sua presença por aqui é maravilhosa.
hehehe

bjinhos

fernanda disse...

Otimo..adoreii.. bjoss Paulinhoo